Dias complicados para a ‘bitcoin’ Economia EL PAÍS Brasil

Residencia fiscal vs ciudadanía - Miniserie tomo 1

Residencia fiscal vs ciudadanía
Bueno esto es parte de una miniserie que pienso hacer a mi ritmo, sobre algunos temas que salen muy repetidos, preguntas que vienen una y otra vez en un eterno deja vu.
Uno de los conceptos que veo que se confunden es sobre impuestos, y la residencia vs la ciudadanía. Mas concretamente la residencia fiscal. No voy a repetir información que ya existe online, la idea es darle una punta para que empiecen a tirar de ahí y consigan mas información por su cuenta, ademas esto depende mucho del país que estén, aunque me voy a enfocar en Argentina.
Bueno la ciudadanía de un país normalmente nos da todas las obligaciones y derechos de un ciudadano (votar, cargos gubernamentales, etc). En cambio la residencia fiscal es DONDE PAGAMOS IMPUESTOS, y es lo que nos interesa acá.
Uno no paga impuestos de acuerdo con la nacionalidad que posee, sino de acuerdo con el país en el cual reside.
En el caso de Argentina, al haber adoptado el país un sistema de renta mundial y no de renta local, un residente fiscal local paga por ganancias obtenidas tanto en Argentina como en el exterior.
Misma lógica aplica al impuesto sobre los bienes personales.
Vos podes no ser ciudadano argentino y ser residente fiscal. Por ejemplo un uruguayo que tiene un kiosco en argentina, paga impuestos en argentina. Es residente fiscal.
Y también podes ser ciudadano argentino, y NO ser residente fiscal. Por ejemplo, te fuiste a vivir a Japón de chiquito, y pagas impuestos en Japón.
Ahora viene lo complicado. Te pueden considerar residente fiscal en varios países. Por ejemplo, Juan vive en Francia, tiene un negocio allá, pero a su vez su esposa, hijos y su casa principal están en Argentina. Es muy probable que la AFIP lo obligue a pagar en Argentina también, por que van a considerar que su “ centro vital de intereses “ esta en Argentina. Pobre Juan, lo van a empopar pagando en dos lugares y va a tener que renegar con papeles y contadores en DOS paises para que lo dejen de violar a impuestos...
La obtención de la residencia fiscal en un tercer país no provoca de forma automática que el contribuyente pierda la del país de donde procede.
La mudanza internacional solo sirve como herramienta de planificación patrimonial cuando la misma es real.
Quien no esté dispuesto a «levantar campamento» y mudarse en serio a otro país, no debería perder su tiempo analizando la obtención de una nueva residencia fiscal.
Que pasa si Pepe tiene muchísimo dinero e ingresos del exterior pero no tiene nada en Argentina? A Pepe le conviene perder la residencia fiscal, es decir mudarse a un país de baja tributación y avisar a Argentina que ya no vive ahí. Por ejemplo Pepe es un craneo que programa para Europa, le pagan en EEUU pero en Argentina vive en una pocilga alquilada y no tiene donde caerse muerto. Mudate Pepe a un tugurio en Belice, tampoco vas a pagar nada pero vas a ahorrar guita y vas a tener playa!
Adquirir la residencia fiscal en un tercer país no suele ser algo muy complejo y en realidad es lógico que no lo sea: ¿qué país se va a oponer a agrandar su base de contribuyentes?
Hay países que han visto en esto un negocio y promueven que extranjeros se instalen allí, facilitando el proceso lo más que se pueda; y hay otros que no.
Entre los primeros, cabe destacar a Malta, Suiza, Italia, España, Portugal, Uruguay, Panamá, varias jurisdicciones del Caribe, quizás con Bahamas a la cabeza, y hasta inclusive Estados Unidos.
El problema no es tanto cómo adquirir una residencia fiscal nueva, sino cómo perder la que se tenía.
Perder la residencia fiscal cuando no tenes donde caerte muerto es fácil, perderla cuando tenes mucho dinero es difícil por que a la AFIP no le gusta que la gente que paga mucho deje de hacerlo. { Ejemplo reciente }
Ademas otro concepto importante es como cobran impuestos los países: algunos lo hacen de manera territorial (acá es donde nos queremos mudar! Por ejemplo Uruguay o Paraguay), otros de manera global (Argentina, España, etc), y otros por ciudadanía (EEUU por ejemplo, esto es lo peor por que para dejar de pagar tenes que perder la ciudadanía, muchos millonarios de bitcoin lo hicieron, y tambien famosos como Tina Turner).
Bueno ahora llegamos a la parte que nos interesa:
¿COMO PERDER LA RESIDENCIA FISCAL ARGENTINA? Deben estar pensando todos los exitosos inversores que vienen a este distinguido reducto de Internet
“La residencia fiscal se perderá cuando la persona humana adquiera la condición de residente permanente en otro país según las disposiciones que rijan en el mismo en materia de migraciones o, cuando permanezca en forma continuada en el exterior durante un período de 12 meses con ciertas aclaraciones respecto de presencias temporales.”
La pérdida de la condición de residente causará efecto a partir del primer día del mes inmediato subsiguiente a aquel en el que se hubiera adquirido la residencia permanente en otro país o se hubiera cumplido el período de 12 meses referido en el párrafo anterior.
La propia ley del Impuesto a las Ganancias define los parámetros a considerar en el caso de doble residencia. En otras palabras, en aquellas situaciones en las que una persona humana ha obtenido la residencia permanente en otro país o, habiendo perdido la condición de residente local, fuera considerada residentes por otro país a efectos tributarios, y continúe residiendo de hecho en territorio nacional, se considera que dicha persona es residente en Argentina si se cumple lo siguiente:
Cuando mantenga su vivienda permanente en la República Argentina; En el supuesto de que mantenga viviendas permanentes en el país y en el Estado que le otorgó la residencia permanente o que lo considera residente a los efectos tributarios, si su centro de intereses vitales se ubica en el territorio nacional; De no poder determinarse la ubicación del centro de intereses vitales, si habita en forma habitual en la República Argentina, condición que se considerará cumplida si permaneciera en ella durante más tiempo que en el Estado extranjero que le otorgó la residencia permanente o que lo considera residente a los efectos tributarios, durante el año calendario; Si durante el período al que se refiere el punto anterior permaneciera igual tiempo en el país y en el Estado extranjero que le otorgó la residencia o lo considera residente a los efectos tributarios, cuando sea de nacionalidad argentina. 
Como puede apreciarse, la legislación cuenta con herramientas (denominadas, reglas de desempate o “tiebreaker rules”) para sortear aquellas situaciones que puedan resultar de dudosa interpretación. En definitiva, los elementos de hecho y prueba a los que son sometidos los contribuyentes para definir si existe residencia local, luego de haber obtenido otra residencia o habiendo perdido la argentina, son los conceptos de vivienda permanente, centro de intereses vitales o cantidad de días en el país y el estado extranjero, dependiendo de la situación particular.
Y atencion a esto:
Algunos recaudos que deberán observar las personas que pierdan la residencia fiscal son:
1 Solicitar la baja como contribuyente ante AFIP, respecto de aquellos impuestos en que se encuentre inscripto. No requiere pedir la baja de la CUIT.
2 Conservar la documentación que acredite la obtención de residencia permanente migratoria, ausencia temporaria y/o residencia fiscal en otro país.
3 Presentar las declaraciones juradas del Impuesto a las Ganancias por el período comprendido entre el 1 de enero hasta el mes en que se verifica la obtención de la residencia migratoria y/o se verifican los 12 meses de ausencias temporarias.
4 Si obtiene rentas de fuente argentina deberá, quien las obtenga, practicar la retención conforme las reglas de los beneficiarios del exterior.
5 Informar el status de cambio residencial a todos los agentes de retención; y en caso de que se hubieran omitido retenciones con anterioridad a tal comunicación, las retenciones debieran practicarse al realizar futuros pagos y, si ello no fuera posible, esta circunstancia tendría que comunicarse al Fisco
6 En materia de Impuesto sobre los Bienes Personales tributará mediante la aplicación de la figura del responsable sustituto.
Y el peor caso :
Probabilidad de caer en la "doble residencia", es decir que dos estados nos consideren residentes y nos quieran cobrar los dos, esto es un dolor de cabeza !!
Si el Señor X de nacionalidad argentina es considerado residente de otro país a los efectos tributarios, pero continúa residiendo de hecho en Argentina o tiene ánimo de permanencia en el país se considerará que reside en Argentina cuando:
Mantenga su vivienda permanente en Argentina. Si mantiene viviendas permanentes en el país y en el Estado que le otorgó la residencia permanente o que lo considera residente a los efectos tributarios, si su centro de intereses vitales se ubica en Argentina. De no poder determinarse la ubicación del centro de intereses vitales, si permaneciera en Argentina más tiempo que en el Estado extranjero que le otorgó la residencia permanente o que lo considera residente a los efectos tributarios, durante cada año calendario Si permanecieran igual tiempo en el país y en el Estado extranjero, cuando sea de nacionalidad argentina. 
Estas reglas se aplican de manera secuencial siempre y cuando se hayan "descartado" las opciones previstas en cada inciso precedente; es decir que sólo debe analizarse la eventual configuración de los requisitos de cada inciso, en la medida en que la situación concreta no permita al sujeto quedar encuadrado en un supuesto que resuelva el problema de la doble residencia.
Este tema es súper largo pero ya me canse de escribir. Pueden empezar a investigar con estas ideas:
  1. territorial tax system vs global tax system
  2. residency vs citizenship
  3. perder residencia fiscal argentina
  4. afip residencia fiscal
  5. oecd crs
con esos términos de búsqueda ya tienen para empezar a informarse.
Les dejo unos links:
https://www.ambito.com/economia/afip/reflexiones-el-concepto-residencia-fiscal-argentinos-n5076207
https://librestado.com/blog/residencia-fiscal-en-argentina/
https://librestado.com/blog/trasladar-residencia-fiscal/
https://gsrc.com.atax-memo-perdida-de-residencia-fiscal-en-la-argentina-frente-a-adquisicion-de-residencia-fiscal-en-uruguay/
https://abogados.com.aperdida-de-residencia-fiscal-en-argentina-y-adquisicion-de-residencia-fiscal-en-uruguay/24584
https://gsrc.com.aperdida-de-residencia-fiscal-en-argentina-adquisicion-de-residencia-fiscal-en-uruguay/
https://www.mondaq.com/argentina/tax-authorities/871002/la-prdida-de-la-residencia-del-sr-x-implicancias-y-puntos-a-tener-en-cuenta-a-los-fines-fiscales
https://www.afip.gob.agenericos/guiavirtual/consultas_detalle.aspx?id=1245395
https://www.lanacion.com.aeconomia/la-afip-investiga-17-contribuyentes-cambiaron-residencia-nid2334834
https://www.iprofesional.com/impuestos/301451-afip-impuesto-retenciones-Bienes-Personales-requisitos-y-consecuencias-del-cambio-de-residencia-fiscal
Otro dia sale otra miniserie de algun otro tema interesante...
Saludos desde el exilio, y a progresar!!
pd recuerden que pagaran menos impuestos, pero el precio sera alto, deberán mudarse a otro país, perdiendo su familia y amigos… están dispuestos a pagar el precio ultimo? Eso esta en cada uno...
Viva peron carajo! Aguante el amado lider supremo alberto!
edit:
tomo 2 de esta saga: https://www.reddit.com/merval/comments/go6n07/emigrar_de_argentina_a_otro_país_miniserie_tomo_2/
submitted by maschetoquevos to merval [link] [comments]

Sistema de pagamento bizarro e sombrio sendo disseminado mundialmente

São Paulo, 14 fevereiro de 2014.
Os governos mundiais anunciaram hoje um plano para permitir que cidadãos, anomimamente, transportem parte de suas riquezas consigo e realizem trocas com outros usando pequenos pedaços coloridos de papel, impressos com imagens maçônicas e nacionalistas, assim como também números que, propositalmente, representam o seu valor(isso se o papel não for falso!). Esses pedaços de papel são formalmente uma "nota" emitida do banco central de cada nação, mas eles também são chamados de "espécie" por muitos - esta é uma questão técnica que é muito complexa para cobrir neste artigo; Não obstante, essa é uma representação da complexidade e difícil forma de uso desse novo sistema.
"Notas de dinheiro" - Um sistema complexo
Esses pedaços de papeis(também conhecidos como "notas", "bufunfa", "cash", "dinheiro vivo" em sua comunidade sombria, anti-banqueira e libertariana, que têm sidos os primeiros usuários até então) vão diferir de nação para nação e não possuem liquidez fora das fronteiras de cada país.
O que será uma grande surpresa para gerações que cresceram com calculadoras e computadores, "notas de dinheiro" são emitidas com valores específicos prédeterminados, exigindo seus usuários a manter uma grande quantidade desses papéis que precisam ser somados para executar uma transação e então feitos outros cálculos para "dar um troco", um processo complexo de devolver ao pagador o excesso de pagamento usando outras notas. (Não se preocupe se isso parece difícil de entender, nós mesmos tivemos problemas em entender no início e certamente este método não está pronto para um consumidor em sua forma atual.)
José João, responsável pelo treinamento de funcionários na casas bahia, disse: "Eu mal consigo imaginar treinando dezenas de milhares de funcionários para usar "notas de dinheiro", verificar sua autenticidade e aprender a "dar troco" sem cometer erros. Isso irá requerer uma instalação em massa de máquinas de dar troco - as tão chamadas "caixas registradoras" - e milhões de reais em treinamento de funcionários, enquanto longas filas demoradas de consumidores serão criadas. Além disso, teríamos que adotar procedimentos de segurança e guardas armados para evitar o roubo dessas notas físicas enquanto estiverem guardadas conosco ou durante o transporte até o banco. Não conseguimos enxergar a adoção dessas notas em nossas lojas nessas condições".
Perfeita para criminosos
O lançamento de "notas de dinheiro" provocou uma reação mundial imediata de agências reguladoras, que, unânimemente, condenaram seu desenvolvimento.
"Dinheiro é 100% anônimi e é uma tecnologia de pagamento irrastreável. É como uma arma de destruição em massa lançada contra as leis,", disse João José, um delegado da polícia federal. "É um mecanismo de pagamento perfeito para criminosos, cartéis de drogas, terroristas, círculos de prostituição e lavadores de dinheiro. Nós não sabemos como será possível combater tal tecnologia e temos a plena expectativa de que uma nova geração de super-criminosos apareça, trabalhando nas sombras de mundo em que eles podem conduzir suas atividades ilícitas sem deixar qualquer tipo de rastro."
O superintendente de um banco, João José, tinha o seguinte a dizer: "Eu não consigo pensar em qualquer razão para que um cidadão correto queira usar dinheiro. De forma básica, acreditamos que deva haver um procedimento de licenciamento para pessoas e empresas que planejem usar dinheiro, algo como uma "licença-dinheiro". Esta licença irá limitar "dinheiro" para pessoas confiáveis que mantém registros detalhados e auditáveis de suas transações em dinheiro, para que possamos manter o estado de são paulo longe de criminosos."
Outros possuem preocupações em relação a notas forjadas. "No fim das contas, mesmo com impressoras modernas, dinheiro é apenas um pedaço de papel. Nós tememos que grupos criminosos e nações inescrupulosas imprimam dinheiro falso para que possam lucrar ou mesmo prejudicar as economias de seus inimigos," disse João José, um analista de mercado. "Neste interim, estamos certos de que dinheiro vai operar com valores em desconto no mundo real, dado o risco que uma parte tem de aceitar um dinheiro falso; sem dúvida dinheiro é um grande retrocesso no atual sistema financeiro baseado em criptografia."
Sem proteção ao consumidor
Embora difícil de imaginar, dinheiro funciona sem absoluta proteção ao consumidor. Se suas "notas" forem roubadas ou perdidas, elas assim estarão para sempre.
"Eu simplesmente não entendo porque não existe ninguém que eu possa ligar para reembolsar meu dinheiro se eu o perder," disse José João, um empresário do Rio de Janeiro. "Que tipo idiota de sistema de valores e pagamento não mantém registros de transação e propriedade?"
Ainda mais, parece não haver mecanismos de autenticação associado com pagamentos ou transferências em dinheiro, muito menos que acompanhe os modernos padrões de segurança. Uma vez que alguém obtém o controle de suas "notas", está livre para gastar ou usar como quiser, e não há como reverter, suspender ou mesmo identificar a transação ou quem as roubou.
Mesmo a destruição de notas, que, como você deve lembrar, são apenas pedaços de papel, poderia resultar em perdas. De acordo com o diretor da recentemente criada "Casa da Moeda", notas danificadas em mais de 51% devem ser enviadas para uma investigação especial que irá determinar se elas poderão ser, ou não, reembolsadas.
Falhas de segurança descoberta em "Carteiras físicas"
Propositores do dinheiro desmentiram estas preocupações dizendo que diversos fabricantes de carteiras, como "Coach", "Gucci" vão anunciar em breve "carteiras físicas" em couro e camurça. Estas carteiras são feitas para guardar as notas, de forma que caibam em uma bolsa ou um bolso de roupa.
"Uma vez que suas notas estão seguramente escondidas em sua carteira Gucci, e guardada em seu bolso de calça[o bolso da frente é recomendado como 'boa prática' de segurança], é quase impossível que elas sejam roubadas, perdidas ou destruídas", disse José João, responsável pela comunicação da Gucci LTDA.
Mas algumas pessoas que adotaram o dinheiro em seu início reportaram que essas carteiras físicas possuem falhas de segurança. "Eu estava em um bar em Belo Horizonte duas semanas atrás e esqueci minha carteira Gucci lá", disse José João, um turista. "Quando retornei na manhã seguinte, minha carteira estava lá mas meu dinheiro tinha ido embora!". Nós entramos em contato com a Gucci a respeito desta tentativa de hacking, mas preferiram não comentar "sobre matérias de cunho confidencial de consumidores."
Até mesmo criminosos não estão imunes aos riscos do dinheiro. O notório lugar "MercadoLivre" de drogas, onde vendedores e consumidores deixam envelopes de dinheiro (nos quais eles claramente escrevem seus nomes) na caixa de correio do lugar que gerenciava as transações, misteriosamente fechou na semana passada, citando 'roubo do dinheiro devido a um bug no processo de selamento dos envelopes'. Enquanto especialistas técnicos acreditam que seja possível que a cola no envelope não estivesse corretamente aplicada, eles também alertaram que uma "nota" é basicamente uma chave pública e privada ao mesmo tempo, e assinalaram que pode haver risco em deixar criminosos anônimos manter a chave privada de seus valores.
Requer presença física
No que parece ser a limitação mais estranha do dinheiro, ele só funciona para pagamentos entre 90 centímetros ou menos, e deve ser manuseado de um humano para outro para executar a transação.
Esse requisito é amplamente discutido como vulnerabilidade fatal para tradicionalistas.
José João, gerente de uma agência do Bradesco, disse: "Uma forma de pagamento que não pode ser usada a distância, não pode ser usada para e-commerce, não pode ser usada em dispositivos móveis, não pode ser usada em transações baseadas em computdores, não pode ser programada, não pode ser pensada como um sistema de pagamento. Eu admito, como forma de expressão de arte, transações em dinheiro é um experimento divertido, mas não tem aplicação no mundo real de banco, finanças ou comércio.
Ainda mais, dada a associação de dinheiro com atividades criminais, nós estamos recusando ofertar serviços bancários e fechando contas de clientes que usam 'dinheiro', seja pessoa física ou jurídica. É a única forma que temos de assegurar que estamos seguindo nossas obrigações legais e regulatórias."
Reconhecidamente, se você tentar usar dinheiro em um país diferente do que foi emitido, ele será categoricamente recusado. Para que isso seja possível, você terá que ir em pontos pré-determinados, normalmente em aeroportos ou certos bancos, com horário de abertura limitado, que irá "trocar" suas notas pelas notas do país que você está visitando. Essas transações possuem altas taxas - normalmente 2-3% - para cada transação, significando que cada turista irá perder 5% ou mais de seu dinheiro em uma viagem típica apenas em custos de "troca', o que parece ser extraordinariamente alto para isso. Um cálculo complicado de multiplicação ou divisão.
Um passo para trás para economia
Economistas estão boquiabertos com legisladores que estão apoiando a adoção do dinheiro, apesar de suas fortes objeções. Uma ferramenta de política chave de Bancos Centrais tem sido o uso de taxas de juros positivas e negativas para gerenciar o crescimento econômico. Parece que isso não será possível com o dinheiro.
José João, um renomado jornalista para Folha de São Paulo, disse: "Este é um dia triste para a macro-economia. Se o dinheiro decolar de qualquer forma, ele reduzirá nosso controle sobre as alavancas da economia significativamente, fornecendo um mecanismo para depositantes a optar por sair de taxas de juros negativas. Dado o fato de que ele pode nos impedir de prevenir a próxima depressão e vai certamente reduzir a arrecadação de impostos, pode-se até considerá-lo diabólico."
Meio ambiente e impactos na saúde
Os ambientalistas expressaram preocupações sobre o impacto do dinheiro sobre o meio ambiente. "Você imagina que, em 2014, teríamos nos livrado de pesticidas e irrigação intensiva de algodão [leia-se: corte de árvores]. Agora teremos que tratar o algodão com tintas perigosas e transportá-lo com combustíveis fósseis, apenas para representar um valor como "20", que poderia ser representado eletronicamente sem, efetivamente, nenhum custo. Quando vamos aprender? ", Disse José João, recentemente nomeado diretor executivo do Clube Sierra.
Autoridades de saúde pública também advertiram que o dinheiro poderia ser um excelente vetor de transmissão de doenças. "Testamos várias 'notas' em nossos laboratórios recentemente e descobrimos que, em média, tem 20 vezes mais bactérias do que um assento sanitário", disse José João, vice-presidente de Pesquisa do hospital Albert Einstein. "Nosso conselho é que as pessoas devem evitar o dinheiro, em geral, e só lidar com isso se for absolutamente necessário. As crianças, os idosos e imunocomprometidos não devem manusear dinheiro em qualquer circunstância."
O que vem em seguida?
Os defensores do 'dinheiro' acham que ele acabará por ser uma tecnologia amplamente adotada que vai se espalhar por todo o mundo, permitindo que transações pessoais de médio porte (não micro-pagamentos, mas não mega-pagamentos também) de uma forma que é invulnerável a interrupções elétricas ou de internet e que dará início a uma nova era de comércio mais "humano".

Nós tentamos manter uma mente aberta nesta publicação para novas tecnologias, mas, até à data, temos dificuldade em ver o dinheiro de forma positiva. Certamente grupos criminosos vão aproveitar o anonimato perfeito do dinheiro para causar estragos na aplicação da lei e arrecadação de impostos, algo que é profundamente indesejável. Entre os cidadãos cumpridores da lei, podemos imaginar uma possível adoção em comunidades modernas densas, como Moema, onde 'carteiras', 'dinheiro' e 'dar troco' poderia ser mais um reflexo do seu ponto de vista de sistemas sociais modernos.
Fora isso, seria difícil recomendar que o consumidor ou comerciante médio torne-se envolvido no que é ainda hoje um sistema muito bugado, cheio de riscos, inconveniente, com altos custos de transação, além de ser possível transmissão de doenças. Mesmo se tratado perfeitamente, o dinheiro certamente irá manchar o seu negócio e vida pessoal com a reputação decadente dos traficantes de drogas, terroristas, lavadores de dinheiro e anarquistas que o usam hoje, ameaçando negócios e relacionamentos bancários e levantando as sobrancelhas de agências reguladoras sob sua comunidade.
Traduzido de http://ledracapital.com/blog/2014/2/17/bitcoin-series-19-bizarre-shadowy-paper-based-payment-system-being-rolled-out-worldwide
submitted by Filipehdbr to BrasilBitcoin [link] [comments]

VICE.COM: Ascensão e Queda da Primeira Máquina de Bitcoin do Brasil

Escrito por FELIPE MAIA VICE
Em abril de 2014, o bar Zé Gordo, localizado no bairro nobre de Itaim, em São Paulo, estreou a primeira máquina de bitcoin do Brasil em parceria com a Mercado Bitcoin, uma empresa especializada em finanças com moedas virtuais.
À época, a compra foi considerada bem moderna: pouco se falava de transações desse tipo no país e um dispositivo físico de bitcoins dentro de um boteco chique era, convenhamos, simbólico demais para ignorar.
Meses depois do anúncio e das repercussões em redes sociais, porém, nunca mais ouvimos falar da maquininha. Sem mais nem menos, o equipamento tinha desaparecido das notícias e, segundo alguns clientes, também do bar.
Em busca de explicações, fui conversar esta semana com Erivelton Rodrigues, sócio-proprietário do Zé Gordo, e ele me contou que teve de devolver a máquina aos proprietários por uma simples razão: medo de assalto. Durante os seis meses que ficou disponível para o público, a peça, do tamanho de um frigobar, foi cobiçada por mais de um transeunte de comportamento estranho. “A máquina não era interessante pra gente porque não era seguro ela aqui”, afirmou, durante uma visita minha ao seu estabelecimento.
Erivelton contou que um tipo suspeito a seus olhos esteve três vezes no bar em função da máquina. No primeiro dia, um sábado de agosto, ele usou o aparelho depois de fazer muitas perguntas. Na segunda-feira, voltou ao bar para nova sessão de questões enquanto procurava câmeras. Na terça-feira, o tipo voltou em um carro com mais uma pessoa. Erivelton tinha devolvido o aparelho. “Já não tinha mais máquina”, afirma.
O equipamento vendia bitcoins. Como um caixa eletrônico que realiza depósitos, ele aceitava cédulas de reais e as trocava pela moeda virtual. O valor adquirido ia diretamente para a conta virtual do comprador, enquanto seu dinheiro ficava armazenado na caixa forte blindada da máquina. Segundo Erivelton, ela seria presa fácil para ladrões por ter meio metro e cerca de cinquenta quilos.
Localizado entre bairros com o maior PIB de São Paulo segundo o censo de 2010 do IBGE e cercado por grandes empresas e bancos de investimentos, o bar Zé Gordo oferece uma posição privilegiada para uma máquina de transações financeiras. Erivelton diz ter visto compras de até dois mil reais no aparelho. “Vinham uns espanhois”, diz ele. “Tinha pouco brasileiro que procurava.”
De acordo com Rodrigo Batista, um dos fundadores do Mercado Bitcoin, a empresa retirava o dinheiro da máquina ao menos uma vez por semana. “O valor das transações costumava ser entre cinquenta e cem reais”, diz. Com o fim da parceria, o Zé Gordo abandonou também as transações com bitcoins no caixa.
O acordo entre a empresa e o bar terminou sem prejuízo para nenhum dos lados. Os funcionários do Mercado Bitcoin ainda aparecem no Zé Gordo para almoçar ou tomar uma cerveja. Rodrigo estuda levar a máquina para outro lugar, mas não sabe o destino do aparelho que custou R$ 10 mil a sua companhia. “Era mais uma peça de marketing”, diz. “É um equipamento físico para algo que não é físico.”
Bitquê?
O Bitcoin é uma moeda virtual com valor real. Os bitcoins correspondem a cálculos executados por computadores potentes — os mineradores. Há um limite para a quantidade de cálculos possíveis, isto é, para os bitcoins em circulação. E eles podem ser transferidos de um ponto a outro da internet de maneira verificada pela própria rede de mineiradores e usuários. Assim rolam compras e vendas com bitcoins sem intermédio de bancos ou operadoras.
Quem não tem um supercomputador minerador pode comprar bitcoins. A operação é similar ao trabalho feito por uma casa de câmbio: uma troca de moedas diferentes. Essa era a função realizada pela máquina do Zé Gordo. “Você coloca reais e saca bitcoins”, diz Rodrigo. Atualmente é possível adquirir uma unidade da moeda virtual a cerca de oitocentos reais em serviços online. O próprio Mercado Bitcoin oferece essa opção no seu site.
Quem quiser usar uma máquina de bitcoin pode se dirigir à Coinverse, na Vila Madalena. O equipamento da empresa mais parece um caixa eletrônico. Além de realizar saques de moeda virtual, ele também pode ser usado para saques de dinheiro comum. Nesse caso, basta ter uma carteira virtual com saldo disponível. “O nosso aparelho funciona nas duas vias”, explica Safiri Félix, um dos fundadores da startup. “Tem semanas que ela vende dez mil reais.”
Segundo ele, a máquina é vigiada constantemente por câmeras e um seguro garante o ressarcimento a Coinverse em caso de roubo — ela custa cerca de R$ 70 mil. Levá-la indevidamente é complicado também por causa dos seus trezentos quilos. “A gente não tem essa preocupação porque estamos num espaço que está cheio de gente”, diz Safiri.
Ele e Rodrigo são pioneiros em um terreno ainda nebuloso para quem vê de fora. O lucro de suas companhias vem de taxas sobre as transações, algo que lembra os maus e velhos bancos. No Zé Gordo, o espaço que antes era destinado à máquina de bitcoins agora dá lugar a uma geladeira de cervejas especiais com luzes brancas e acabamento refinado em vermelho.
FONTE VICE
submitted by brasilbitcoin to BrasilBitcoin [link] [comments]

Mineração de Bitcoin em Português Claro

Por David Perry
Meus leitores regulares provavelmente já devem estar cientes de que eu estou mais do que envolvido com o Bitcoin. Se você não sabe o que é Bitcoin – bem, primeiramente, você provavelmente está lendo o artigo errado, mas vá em frente e assista este vídeo (http://www.youtube.com/watch?v=Um63OQz3bjo) e você, provavelmente, se inteirará do assunto. Um dos pontos mais comumente confusos para os novos Bitcoiners é o conceito de mineração (http://www.weusecoins.com/en/mining-guide). A maioria dos novatos em Bitcoin não consegue ter uma boa compreensão do conceito e praticamente todo artigo sobre o assunto (incluindo este) vai preveni-lo que o assunto é altamente técnico e não é para os fracos de coração.
E ainda, o tópico sobre mineração parece ser a fonte da maioria das perguntas sempre que eu converso com alguém sobre Bitcoin – e por que seria diferente? Ele é o mecanismo pelo qual a moeda é emitida, e emissão é um tópico de importante compreensão se você for usar e confiar em uma moeda; e o mecanismo de emissão do Bitcoin é, infelizmente, bastante complexo e técnico. Este artigo irá tentar quase o impossível: uma minuciosa explicação sobre como funciona a mineração, mas sem qualquer um dos detalhes específicos que podem assustar os leigos na sala.
Agora eu vou tentar meu máximo para evitar termos técnicos, mas existem alguns conceitos e termos fundamentais que são absolutamente vitais de entender se você quiser quebrar a cabeça minerando. Eu vou reduzi-los ao mínimo e explicá-los da forma mais simples possível.
Então o conceito básico de mineração de Bitcoin é que há um pequeno pacote de cada bloco onde estão contidos dados aleatórios e sem sentido, e mineradores de Bitcoin pegam todos os dados do bloco atual, embaralham esse pacote aleatório e calculam o hash da coisa toda. Lembre que enquanto hashes são fáceis de reproduzir, eles são impossíveis de prever e parecem funcionar de forma randômica, então o minerador não tem uma forma de prever qual pacote de dados aleatórios vai produzir o hash “vencedor”, ele pode apenas permanecer convertendo aquele pacote até obter o resultado que ele está procurando. Eventualmente, alguns mineradores acham em algum lugar um pacote de dados aleatórios que produz um hash que é menor que um determinado valor, o qual é determinado pela dificuldade, e submetem esse bloco acompanhado de seu hash à rede Bitcoin. Uma vez que a rede confirme que a solução está correta, o minerador é recompensado com um número de Bitcoins.
O número de Bitcoins na recompensa depende de determinado número de fatores. Há uma recompensa base incluída em cada bloco para encorajar a atividade de mineração enquanto o Bitcoin ainda está nos estágios iniciais – atualmente a recompensa é de 50 bitcoins, mas de vez em quando a recompensa é cortada ao meio até eventualmente chegar a zero. Algumas transações cobram uma taxa de transação, que também vai para os mineradores. Futuramente essas taxas de transação serão a única recompensa pela mineração, mas a esperança é que nesse período haverá transações suficientes (e, portanto, taxas suficientes) para fazê-la valer a pena.
Bem no início, o número de mineradores e a qualidade de seus equipamentos era tão baixa que o que eu descrevi acima era tudo o que existia: um punhado de computadores domésticos fazendo um monte de cálculos matemáticos na máxima velocidade e a maioria deles conseguia alguns milhares de Bitcoins a cada dia. Hoje, entretanto, já existem tantos mineradores e seus equipamentos são tão mais rápidos que U$ 1000 em equipamento para mineração iria gastar entre dois a três meses trabalhando antes de conseguir resolver o primeiro bloco. Algo precisava ser feito.
Grupos de mineração surgiram para resolver este problema. O conceito é simples: Um punhado de mineradores trabalham juntos para resolver blocos e quando o grupo resolve um, eles dividem seus ganhos da forma que acharem mais justa. Existem, é claro, divergências entre os grupos sobre qual a melhor forma de dividir os lucros, mas esta discussão bastante técnica é para outro artigo.
Estes são os mecanismos básicos, mas existem algumas coisas importantes que podem não ter ficado óbvias à primeira vista
Se algo não está claro ou se você acha que há algo que valha a pena ser acrescentado, deixe-me saber nos comentários e eu farei meu melhor para deixar todos felizes!
Atualização: Este post tem ganhado muita atenção ultimamente e eu tenho sido inundado de comentários com variações da mesma pergunta: “Para qual propósito serve a mineração?”.
A resposta é dupla:
Distribuir moedas é uma tarefa fácil se você tem uma autoridade central – essa autoridade simplesmente imprime algum dinheiro e decide para quem dá-lo. Quando você não tem uma autoridade central e você não quer nenhum idiota imprimindo toneladas de moeda a vontade e destruindo seu suprimento de moedas com inflação, você tem alguns problemas complicados para resolver. Mineração resolve esse problema ao incluir um difícil problema de “proof-of-work” em cada protocolo do Bitcoin para o qual a recompensa é uma unidade de moeda.
Essa é a parte da explicação que fica longa e complicada – realmente longa e complicada. É a toca do coelho e mais um pouco, mas se você está disposto a descer por esse buraco do coelho, o melhor lugar para começar é provavelmente este post (http://www.mail-archive.com/[email protected]/msg09997.html) do criador do Bitcoin Satoshi Nakamoto. Para uma explicação mais generalizada, eu recomento o artigo da Wikipedia (http://en.wikipedia.org/wiki/Proof-of-work_system) sobre sistemas de “proof-of-work”. A versão curta da explicação: é um método para resolver transações conflitantes e prevenir gastos duplos. Texto de origem http://codinginmysleep.com/bitcoin-mining-in-plain-english/
Tradução por: Sarah Alexandre
submitted by allex2501 to BrasilBitcoin [link] [comments]

Após mais de 6 anos, criação da moeda virtual bitcoin ainda envolve enigma NATHANIEL POPPER DO "NEW YORK TIMES"

É um dos grandes mistérios da era digital.
A caçada por Satoshi Nakamoto, o esquivo criador do bitcoin, cativou até mesmo aqueles que acreditam que a moeda virtual é uma espécie de esquema de pirâmide on-line. Um emaranhado de fatos resultou no surgimento de uma lenda: alguém usando o nome Satoshi Nakamoto lançou o software do bitcoin no começo de 2009 e se comunicava com os usuários da moeda nascente por meio de e-mails –mas nunca por telefone ou em pessoa.
Depois, em 2011, no exato momento em que a tecnologia começou a atrair atenção mais ampla, os e-mails cessaram. De repente, Satoshi sumiu, mas as histórias sobre ele não pararam de crescer.
Ao longo dos últimos 12 meses, venho trabalhando em um livro sobre a história do bitcoin, e é difícil não me deixar atrair pela charada quase mística da identidade de Satoshi Nakamoto. Quando eu estava começando minhas pesquisas, a revista "Newsweek" ganhou atenção com uma reportagem de capa, em março de 2014, na qual alegava que Satoshi era um engenheiro desempregado, de mais de 60 anos, que vivia em um subúrbio de Los Angeles.
Um dia depois de publicada a reportagem, porém, a maior parte das pessoas que conhece bem o bitcoin já havia concluído que a revista tinha apontado o homem errado.
Muitas pessoas na comunidade do bitcoin me disseram que, em deferência ao claro desejo de privacidade do criador da moeda virtual, não queriam ver o mago desmascarado. Mas mesmo entre aqueles que fizeram essa afirmação, poucos conseguiam resistir a um debate sobre as pistas deixadas pelo fundador.
O POSSÍVEL HOMEM
Ao participar dessas conversas com os programadores e empreendedores mais profundamente envolvidos com o bitcoin, encontrei uma crença silenciosa, mas profundamente enraizada de que boa parte dos indícios mais convincentes aponta para um norte-americano recluso de ascendência húngara chamado Nick Szabo.
Szabo é um mistério quase tão grande quanto Satoshi. Mas no curso de meu trabalho de reportagem comecei a levantar novos indícios que me envolveram ainda mais nessa busca, e cheguei até a participar de um raro encontro pessoal com Szabo, em um evento privado reunindo os principais programadores e empreendedores do bitcoin.
No evento, Szabo negou que fosse Satoshi, como o vem negando consistentemente em suas comunicações eletrônicas. Mas ele reconheceu que seu histórico deixava pouca dúvida de que era parte do pequeno grupo de pessoas que, ao longo de décadas, trabalhando às vezes cooperativamente e às vezes em competição, lançaram as fundações para o bitcoin. E criaram muitos dos componentes posteriormente integrados à moeda virtual.
A mais notável contribuição de Szabo foi um predecessor do bitcoin chamado "bit gold", que atingia muitos dos mesmos objetivos da moeda virtual e usava ferramentas semelhantes de matemática avançada e criptografia.
Pode ser impossível provar a identidade de Satoshi até que a pessoa (ou pessoas) que se ocultam por trás da cortina do bitcoin decida se apresentar e prove controlar as velhas contas de comunicação eletrônica de Satoshi.
A essa altura, a identidade do criador já não é importante para o futuro do bitcoin. Desde que Satoshi deixou de contribuir para o projeto, em 2011, a maior parte do código de fonte aberta da moeda virtual foi reescrito por um grupo de programadores cujas identidades são conhecidas.
A CRIAÇÃO
Mas a história de Szabo oferece percepções sobre alguns elementos frequentemente incompreendidos na criação do bitcoin. O software não veio do nada, como se presume ocasionalmente, mas, em vez disso, se baseou em ideias de múltiplas pessoas desenvolvidas ao longo de décadas.
A história do bitcoin envolve mais que simples curiosidade. O software veio a ser encarado em círculos acadêmicos e financeiros como um significativo avanço na ciência da computação, que pode mudar a maneira pela qual o dinheiro funciona e é movimentado. Recentemente, bancos como o Goldman Sachs deram os primeiros passos em direção a adotar a tecnologia.
Szabo manteve seu discreto envolvimento com o projeto. No início de 2014, ele começou a trabalhar para a Vaurum, uma start-up (empresa iniciante de tecnologia) relacionada ao bitcoin e sediada em Palo Alto, Califórnia.
A companhia vinha operando discretamente e seu objetivo era criar um mercado melhor para o bitcoin. Depois de sua chegada, Szabo ajudou a reorientar a empresa a fim de explorar a capacidade do bitcoin para operar com os chamados contratos inteligentes, que permitem transações financeiras autoexecutadas.
Depois que Szabo levou a empresa a tomar essa nova direção, seu nome mudou para Mirror, e ela recentemente levantou US$ 12,5 milhões em capital junto a grupos de capital de risco. A companhia não quis comentar para este artigo.
O papel de Szabo na Vaurum precisava ser mantido em segredo devido ao desejo de privacidade dele. Szabo acabou deixando a empresa no final de 2014, nervoso com a exposição pública, disseram pessoas informadas sobre as operações da companhia. Enquanto esteve lá, porém, o elenco de competências e de conhecimentos de que ele dispunha levou muitos colegas a concluir que Szabo muito provavelmente esteve envolvido na criação do bitcoin, mesmo que não tenha feito o trabalho sozinho.
O ENCONTRO
Fui apresentado a Szabo, um sujeito grandão e barbado, em um evento de bitcoin no lago Tahoe, na casa de férias de Dan Morehead, ex-executivo do Goldman Sachs e atual proprietário da Pantera Capital, uma empresa de investimento cujo foco é o bitcoin. Na época, Szabo trabalhava para a Vaurum. Morehead e os outros executivos de fundos de hedge presentes todos usavam mocassins e jeans de corte fino. Szabo exibia a calvície incipiente por entre os cabelos ruivos já se tornando grisalhos, calçava tênis velhos e usava uma camisa listrada para fora da calça.
Ele não estava participando das rodas de conversa, e consegui encurralá-lo na cozinha na hora dos coquetéis. Ele se mostrou notavelmente reservado e contornou perguntas sobre onde vivia e trabalhava, mas ficou irritado quando citei o que se diz sobre ele na Internet –por exemplo, que ele é professor de direito na Universidade George Washington– e sobre a possibilidade de que seja o criador do bitcoin.
"Bem, direi o seguinte, na esperança de estabelecer o histórico", ele comentou, em tom ácido. "Não sou Satoshi e não sou professor universitário. Na verdade, nunca fui professor universitário."
A conversa se tornou menos acalorada quando lhe perguntei sobre as origens dos muitos complicados componentes de código e criptografia usados para o software do bitcoin, e sobre o pequeno número de pessoas que teriam os conhecimentos necessários a unir essas peças.
Quando questionado se acreditava que Satoshi conhecia seu trabalho, Szabo disse entender por que havia tanta especulação quanto ao seu papel no processo. "Tudo que digo é que existem muitos paralelos, e isso parece engraçado, para mim e para outras pessoas."
O jantar começou, interrompendo a conversa, e não tive nova oportunidade de falar com Szabo.
Quando troquei e-mails com ele, Szabo repetiu sua negativa. "Como já declarei muitas vezes, essas especulações todas são lisonjeiras, mas erradas –não sou Satoshi."
PUNKS
Muitos dos conceitos centrais para o bitcoin foram desenvolvidos em uma comunidade on-line conhecida como Cypherpunks, uma organização frouxamente conectada de ativistas da privacidade digital. Como parte de sua missão, eles decidiram criar um dinheiro virtual que pudesse ser tão anônimo quanto o dinheiro físico. Szabo era membro da comunidade e em 1993 escreveu uma mensagem aos demais cypherpunks descrevendo as diversas motivações dos participantes de uma reunião do grupo que acabava de acontecer.
Algumas das pessoas, ele escreveu, "são libertários que querem excluir o governo de suas vidas, outras são progressistas que lutam contra a NSA [Agência Nacional de Segurança norte-americana], outras ainda se divertem ao incomodar os poderosos com hacks bacanas".
Szabo tinha uma mentalidade libertária. O que o atraía nessas ideias, ele me disse, era em parte relacionado ao seu pai, que combateu os comunistas na Hungria nos anos 50 antes de se assentar nos Estados Unidos, onde Szabo nasceu há 51 anos. Criado no Estado de Washington, Szabo estudou ciência da computação na Universidade de Washington.
Diversas experiências com dinheiro digital foram conduzidas nas listas do Cypherpunks nos anos 1990. O pesquisador britânico Adam Back criou o hashcash, mais tarde um dos componentes centrais do bitcoin. Outro projeto, chamado money, foi criado por Wei Dai, um engenheiro de computação muito zeloso de sua privacidade.
Quando nenhuma dessas experiências decolou, muitos dos participantes do grupo perderam o interesse pelo assunto. Mas não Szabo. Ele trabalhou seis meses como consultor para uma companhia chamada DigiCash, de acordo com um post em seu blog. Em 1998, enviou uma descrição genérica de seu projeto de dinheiro virtual, o bit gold, a um pequeno grupo de pessoas ainda interessadas na ideia, como Daí e Hal Finney, programador em Santa Barbara, Califórnia, que tentou criar uma versão de uso prático para a moeda.
O conceito do bit gold era bem parecido com o do bitcoin. Incluía um token digital escasso, como o ouro, que podia ser enviado eletronicamente sem a necessidade de passar por uma autoridade central, por exemplo um banco.
Esse histórico aponta para o papel importante que Szabo e diversos outros pesquisadores desempenharam na criação dos blocos básicos de construção do bitcoin. Quando o estudo no qual Satoshi Nakamoto descrevia o bitcoin foi publicado, em 2008, ele citava o hashcash, de Back. As primeiras pessoas com quem Satoshi fez contato privado por e-mail foram Back e Dai, dizem os dois. E Finney, que morreu recentemente, ajudou Satoshi a melhorar o software do bitcoin no final de 2008, antes que ele fosse publicamente lançado, de acordo com e-mails que me foram encaminhados por Finney e sua família.
Foram as atividades de Szabo em 2008, logo que o bitcoin emergiu, no entanto, que geraram boa parte das suspeitas sobre seu papel no projeto. No segundo trimestre daquele ano, antes que qualquer pessoa tivesse ouvido falar de Satoshi Nakamoto e do bitcoin, Szabo retomou a ideia do bit gold em seu blog e em conversas on-line sobre uma versão viva da moeda virtual; ele perguntou aos leitores: "Alguém quer me ajudar com o código?"
Depois do surgimento do bitcoin, Szabo alterou a data de seu post. Com a mudança, o post parecia ter sido publicado depois que o bitcoin foi lançado,como mostram versões de arquivo do blog.
Os escritos de Szabo sobre o bit gold, na época, contêm muitos paralelos notáveis com a descrição do bitcoin por Satoshi, o que inclui formulações semelhantes e até maneirismos comuns de escrita. Em 2014, pesquisadores da Universidade de Aston, Inglaterra, compararam as escritas de diversas pessoas suspeitas de serem Satoshi e constataram que nenhuma era tão compatível quanto a de Szabo. A semelhança era "perturbadora", de acordo com Jack Grieve, o professor que comandou o projeto.
Quando li os escritos de Szabo on-line, se tornou óbvio que, nos 12 meses anteriores ao surgimento de Satoshi e lançamento do bitcoin, Szabo estava de novo pensando a sério sobre o dinheiro digital.
Ele escreveu com frequência, ao longo de diversos meses, sobre os conceitos envolvidos no dinheiro digital, incluindo os tais contratos inteligentes, um conceito tão especializado que Szabo muitas vezes recebe crédito pela invenção do termo.
LIBERDADE
O blog de Szabo explicava por que ele estava examinando essas questões de maneira tão apaixonada: a crise financeira mundial que estava em curso lhe sugeria que o sistema monetário estava quebrado e requeria substituição.
"Para aqueles que amam nossas liberdades, passadas e futuras, a hora de atacar é agora", escreveu Szabo em seu blog no final de 2007, ao endossar a campanha do libertário Rand Paul pela indicação presidencial republicana, em parte por conta das visões de Paul sobre o sistema financeiro.
Para muitos observadores do bitcoin, tão notável quanto os escritos de Szabo no período é seu silêncio depois do surgimento do bitcoin em outubro de 2008. Afinal, a moeda virtual era uma experiência quanto a tudo aquilo sobre o que ele vinha escrevendo há anos. Ao contrário de Daí, Finney e Back, Szabo não liberou mensagens recebidas de Satoshi no período ou admitiu ter se comunicado com ele.
Szabo fez uma primeira menção passageira ao bitcoin em seu blog na metade de 2009, e em 2011, quando a moeda ainda estava lutando para ganhar empuxo, escreveu sobre ela de novo, mais extensamente, mencionando as semelhanças entre bitcoin e bit gold. Ele reconheceu que pouca gente teria o conhecimento e o instinto requeridos para criar qualquer das duas moedas.
"Eu, Wei Dai e Hal Finney éramos as únicas pessoas que conheço que gostavam da ideia [no caso de Daí, de sua ideia correlata] o bastante para levá-la adiante de forma significativa, até que surgisse Nakamoto (presumindo que Nakamoto não seja Finney ou Dai)", escreveu Szabo.
Quem quer que ele seja, o verdadeiro Satoshi Nakamoto tem bons e múltiplos motivos para querer ficar anônimo. Talvez o mais óbvio seja o potencial perigo. O pesquisador argentino Sergio Demian Lerner concluiu que Satoshi Nakamoto muito provavelmente recebeu quase um milhão de bitcoins no primeiro ano de operação do novo sistema. Já que um bitcoin vale cerca de US$ 240, esse saldo teria valor superior a mais de US$ 200 milhões. E isso bastaria para transformar Satoshi em alvo.
submitted by brasilbitcoin to BrasilBitcoin [link] [comments]

O dinheiro do futuro?

Uma nova moda da internet, uma alternativa ao sistema financeiro tradicional. O bitcoin é tudo isso ao mesmo tempo. A moeda virtual foi criada por um enigmático programador japonês chamado Satoshi Nakamoto, que ninguém viu nem sabe por onde anda. Há quem diga que a identidade de Nakamoto foi construída por um grupo de geniais programadores. “O bitcoin é para a indústria financeira o que o MP3 foi para a da música”, O bitcoin ainda é pouco conhecido no país, mas isso deve mudar num futuro próximo.
Afinal, o que é o bitcoin?
É uma moeda virtual que escapa ao controle de bancos e governos, permitindo que internautas façam transações financeiras sem intermediários. Ao contrário das moedas convencionais, como o real, a libra e o dólar, o bitcoin não é emitido por um banco central. Em tese, qualquer pessoa pode “minerar” novos bitcoins e comercializá-los na rede. Basta ter em casa um computador de última geração para rodar um programa gratuito e de código aberto que processa, dia e noite, complicados algoritmos matemáticos.
Para que serve?
Já dá para fazer de tudo: desde comprar um apartamento em Buenos Aires, colocado à venda no site portenho do Mercado Livre, até pagar pelo serviço da plataforma de blogs WordPress. No site da BitcoinStore, também é possível adquirir qualquer aparelho eletrônico. No Brasil, por enquanto, o bitcoin é aceito em raríssimos lugares, como o descolado bar Las Magrelas, na Vila Madalena, em São Paulo. Mas ele já é a moeda “oficial” de Kreuzberg, bairro de Berlim conhecido pelos moradores ativistas e intelectuais.
Como funciona o comércio de bitcoins?
O primeiro passo é criar uma “carteira digital”. Existem diversos sites e casas de câmbio virtuais que oferecem esse serviço. O maior deles é o Mt.Gox, sediado no Japão, com mais de 638 mil usuários. Atualmente, o site controla 80% do comércio mundial de bitcoins e cobra uma taxa para cada transação. Somente em abril deste ano, o Mt.Gox movimentou US$ 535 milhões, segundo seu porta-voz Thomas Glucksmann- Smith. “Algumas pessoas também armazenam seus bitcoins em cold storage (um pen drive, por exemplo) para ter segurança extra”, afirma.
O bitcoin pode ser falsificado?
“A tecnologia está aí há quatro anos e nunca foi corrompida”. O segredo do sucesso é a criptografia. Cada moeda consiste em uma longa (e, até agora, inviolável) sequência de letras e números. Além disso, todas as transferências são registradas no blockchain, um banco de dados disponibilizado publicamente na internet por todos os usuários da moeda. Por isso, o sistema do bitcoin é chamado de peer to peer (ponto a ponto), ou seja, é descentralizado. O blockchain permite rastrear o histórico da movimentação de qualquer bitcoin, do “minerador” ao último comprador. Isso evita que um mesmo bitcoin seja vendido por duas fontes distintas.
Ele pode ser furtado?
Como qualquer mercadoria, pode sim. Por isso, recomendase o uso de softwares, como o YubiKey e o Google Authenticator, que garantem mais segurança na manipulação de senhas. Nem as casas de câmbio virtual estão imunes aos hackers.
É possível usar para atividades ilícitas?
A moeda virtual ficou famosa quando o WikiLeaks – o explosivo site criado para vazar documentos secretos do governo dos EUA – passou a aceitar doações em bitcoins. Depois, foi acusada de facilitar a vida de traficantes de armas e drogas do Silk Road, o mercado negro da internet. Sim: é possível comprar artigos ilícitos com bitcoin. “Mas o traficante da esquina também aceita dinheiro vivo” é a resposta dos ativistas da moeda virtual.
O que dá valor ao bitcoin?
Assim como todas as moedas em circulação no mundo, o bitcoin também é fiduciário, ou seja, baseado na confiança. “As pessoas acreditam no dólar porque, apesar de não ter lastro, é garantido pelo governo dos EUA”, explica o professor Pedro Garcia Duarte, da Faculdade de Economia e Administração da Universidade de São Paulo. Em outras palavras, se o bitcoin virar pó da noite para o dia, não há a quem recorrer. “Pode ser uma boa forma de se fazer comércio eletrônico no futuro. Mas, se o sistema não se mostrar inviolável como se pensa, a confiança – e a moeda – acaba.”
Há especulação?
Claro! Por enquanto, a moeda tem sido usada principalmente para investimento – como no mercado de ações. Sua cotação não está imune à especulação. Em abril, o preço de um bitcoin despencou de US$ 266 para US$ 54,25 em apenas três dias. Hoje, está na faixa de US$ 110. Se o preço assusta, saiba que você pode comprar até 0,00000001 bitcoin.
Investir em bitcoins é um bom negócio?
É uma questão de perfil. Nada garante que o bitcoin vá se valorizar – ou até sobreviver. “Tem quem ache que por ser novo é uma oportunidade de ganhar dinheiro. Eu sou avesso ao risco”, brinca o professor Pedro Garcia Duarte, da USP.
Fonte GQ
submitted by allex2501 to BrasilBitcoin [link] [comments]

️🤑️COINPAYU PTC para ganar BITCOIN Gratis todos los días💸️ ... Se vienen 60 días complicados para Córdoba - YouTube 3 DÍAS al HALVING de BITCOIN con +1500%🚀 Precio en 💲10.000 ... Bitcoin: Como QUALQUER PESSOA consegue ganhar MUITO ... BUENOS DIAS CRIPTO  Mi plan inmediato para BITCOIN  Hoy ...

Dias complicados para a ‘bitcoin’ As flutuações de sua cotação e as suspensões de transações despertam o debate em torno do papel que a moeda eletrônica pode desempenhar Dias complicados para a ‘bitcoin’ Publicado originalmente EL Pais. COMENTAR. Salvar. Imprimir Reportar. Publicado por DellaCella Souza Advogados. há 6 anos. Publicado por Joseba Elola. As flutuações de sua cotação e as suspensões de transações despertam o debate em torno do papel que a moeda eletrônica pode desempenhar. Um conhecido investidor do Vale do Silício e um prestigiado ... Días complicados para ‘bitcoin’ Las fluctuaciones de su cotización y las suspensiones de transacciones avivan el debate en torno al papel que puede desempeñar la moneda electrónica ... Días complicados para el activo. La semana pasada, Bitcoin ha tenido pérdidas muy significativas. En los últimos cinco días, su devaluación totalizó 20.4%, por lo que la criptomoneda cayó por debajo de $ 8,000. Sin embargo, hoy es la primera vez esta semana que el activo parece mostrar una recuperación de sus valores, ya que alcanzó un máximo de más del 1%. Junto con él, otras ... Dias complicados para a ‘bitcoin’ Um conhecido investidor do Vale do Silício e um prestigiado blogueiro das finanças se envolveram em uma aposta especial que percorre blogues e fóruns dos entusiastas da bitcoin, moeda eletrônica que não fez outra coisa que gerar um debate desde o seu nascimento em 2009.

[index] [41008] [25234] [11033] [10196] [25929] [17170] [41744] [23066] [48321] [39880]

️🤑️COINPAYU PTC para ganar BITCOIN Gratis todos los días💸️ ...

SUSCRIBETE PARA VER MAS VIDEOS : https://www.youtube.com/channel/UCOzc3CWZdyU0nKUzJesy2Ow?sub_confirmation=1 + Canal de Negocios : https://www.youtube.com/ch... No vídeo de hoje, Wellington Silva, vai mostrar se vale a pena ficar escolhendo "o melhor" dia para comprar Bitcoin para o longo prazo e também qual dia do mês teve o melhor resultado nos ... 👇👇👇👇👇 DA CLICK EN MOSTRAR MÁS 👇👇👇👇👇 En este video te comparto #ComoGanarBitcoin en la que sin duda será una de las mejores en opciones en #2020 las tareas so... Nadie puede garantizar el precio futuro de BITCOIN, pero estos son los datos y el por qué esperar un aumento del precio en el largo plazo y capitulación en e... Enjoy the videos and music you love, upload original content, and share it all with friends, family, and the world on YouTube.

#